Arquivo para março \12\UTC 2008

12
mar
08

Férias

Estou saindo de férias na próxima sexta-feira, indo pra Europa. Já estou sem computador pois comprei um novo lá, portanto devo ficar sem atualizar o blog até dia 31.

Vou tentar dar uma atualizada de lá, se não conseguir, voltarei com um monte de posts pra ir atualizando diariamente aqui.

Abração a todos

07
mar
08

Teste de fogo

Fui convidado pelo Just Madá para fazer parte do projeto A 4 mãos, um projeto mensal onde dois chefs ou gourmets são convidados a montar um menu confiance. E ontem foi minha prova de fogo, ao entrar numa cozinha de bistrot para servir entrada, prato principal e sobremesa para 16 pessoas. Como Sous Chef convidei meu amigo de panelas, André Dias e mãos à obra.

Anteriormente pesquisando, já tinha definido que o prato principal seria um Filé Wellington, algo bem anos 60, e para não fugir do tema, busquei entrada e sobremesa, que remetessem a essa época. Servi também um welcome drink, que já tinha visto que anda fazendo sucesso nos restaurantes do Rio de Janeiro, nesse verão.

O drink: Caipiroska de morango com picolé de maracujá – A mistura de caipiroska com um picolé de sabor diferente, é hit do verão carioca, e só provando pra saber como é inusitado e gostoso.

caipilé

A entrada: Cocktail de camarão c/ pêra – Hoje em dia é cafona, eu assumo, mas é algo que fez muito sucesso antigamente. E tinha que ter uma cereja ao maraschino pra ficar mais retrô.

cocktail

O principal: Filé Wellington – filé selado, com molho de mostarda dijon, um shitake grellhado inteiro, fatias de presunto de parma, envolvido numa massa folhada. Acompanhando arroz de shimeji e shitake e molho de blueberries e vinho. Ficou muito bom, porém errei na hora de selar a carne, que deve ser um susto na frigideira, senão o centro do filé não fica rosé.

filet

A sobremesa: Delícia de abacaxi – sempre gostei, e sempre comi congelada. Eu deixei super gelada, e coloquei um chantilly de côco com flocos de côco queimado e crocantes de abacaxi. Preciso aperfeiçoar o doce de abacaxi (c/ gengibre, ou limão siciliano, para fazer um contraponto na doçura da sobremesa) e servir numa taça mais rasa para ficar tudo nivelado e vir tudo junto na mesma colher.

delcia

A experiência foi fantástica e agora é que deu vontade de ter meu próprio restaurante.

07
mar
08

Conclusões

Retirei o último post, pois cheguei a conclusão de uma coisa: Não devo falar negativamente de um restaurante,  mesmo que tenha achado uma boa m…..

Ou posso falar?

Vai saber…

03
mar
08

Eu Indico…

Acho que todo chef tem quer ser um pouco de arquiteto para deixar um prato, além de gostoso, bonito. E que tal um arquiteto com afinados dotes culinários? Assim é o Just Madá.

O escritório de arquitetura de dois dos mais requisitados e queridos arquitetos do Recife, Madá  Albuquerque (porque depois de conhecer é impossível chamar de Madalena) e Newman Belo transforma-se nas quintas e sextas, em um charmoso, calmo e discreto bistrot, em meio a duas das mais movimentadas avenidas de Boa Viagem.

mada

A comida é italiana tradicional, daquelas aprendidas com as verdadeiras mammas fiorentinas, é simples e saborosa. E é dessa simplicidade que ele deixa de ser apenas mais um prato de comida e se torna algo a ser apreciado com calma. Digo calma, pois já fui lá para se divertir com os amigos, como para um almoço tranquilo, como nessa última visita, e percebi que a tranquilidade, o clima, a música, fazem todo um diferencial na degustação de um prato.

Mas deixando a conversa de lado, vamos ao que interessa. O mix de entradas é composto de fatias de presunto com pimenta rosa, cubos de provolone, crostinis de tomate e azeitona, berinjela marinada e cebola caramelada. Tudo bem mediterrâneo e saboroso.

mix

Conheci uma novidade da casa, que é o talho toscano. Na Itália ele é preparado com farinha de trigo e sêmola, e leva a cobertura de queijos e embutidos. No Just Madá, a massa é preparada com macaxeira e ninguém adivinha até saber, de tão leve que é a massa. Lembra uma pizza, mas ao mesmo tempo é diferente. Eu quero comer toda vez que voltar lá.

talho

De prato principal eu pedi um risotto de funghi chileno com gorgonzola. Cozido no ponto, arroz al dente, quantidade correta de queijo. Você não se lembra de reclamar que falta uma carne de acompanhamento, porque realmente não precisa, de tão bom.

riso

P.S: Fica na galeria centro-sul, entre a Av. Conselheiro Aguiar e a Av. Domingos Ferreira. Possui lugar para 16 pessoas na parte interna e 6 na externa.

02
mar
08

Test-drive

Domingão… nada pra fazer, noite anterior com experiência gastronômica não muito agradável, nada melhor que juntar os amigos e ir pra cozinha.

A idéia principal seria uma paella negra, que depois virou paella de frutos do mar, mas sempre existe algum alérgico na turma e na hora das compras as idéias vão surgindo. Como na segunda passada já tinha comido um risotto de arroz basmati com abóbora e brie no Ponte Nova, resolvi fazer minha versão.

Comecei com um risotto bianco para dar base para os dois risottos. Apenas arroz arbório (não achei carnaroli), cebola e alho-poró processados, com um pouco de vinho e caldo de legumes. Quando vi que o amido já tinha se desenvolvido, mas o arroz ainda estava duro, dividi a base para dar início aos 2 risottos.

O risotto de frutos do mar, como tava com uma preguicinha, usei o arroz base com pimentões verde, amarelo e vermelho, vagens e seletas de legumes congelados e o kit de paella da Netuno (tudo bem que os camarões parecem pulgas). Para dar mais sabor, além do tempero que vem no kit, coloquei açafrão espanhol. Ficou ótimo, mas como de vez em quando eu faço, não acho muita graça. Ainda bem que todos os 15 amigos presentes aprovaram.

Prato montado só pra tirar foto, porque servi no caldeirão, hehehheh.

paella

O outro foi de jerimum (nada de abóbora, kakakak) com brie, acompanhado de um chester. Só cozinhei o jerimum, fiz um purê com manteiga, juntei ao arroz e já no prato de servir, afundei pedaços grandes e irregulares de brie no arroz. Mas o que mais eu gostei de fazer foi o chester. Eu nunca tinha colocado uma galinha daquele tamanho pra assar e morri de medo, mas deu certo. Fiz um creme de cebola com cerveja, passei no bicho e joguei no forno. Tinha esquecido do molho, mas na hora de servir, tirei o chester e usei o molho tostado da assadeira, vinho tinto, geléia de morango e açúcar. Ficou muito bom.

Aquilo ali atrás desfocado é o risotto de jerimum com brie

chester

01
mar
08

Carrinho de Compras

Como eu já postei em Quentinhas essa semana, o carrinho de compras já entra em clima de páscoa.

Todos já conhecem ou ao menos ouviram falar do trabalho de Lana Bandeira à frente da Josefinna, com suas bolsas, sapatos e acessórios. E muita gente também já conhece os seus trabalhos com doces, principalmente sob encomenda, para casamentos, aniversários e afins. Conferi agora seu lado mais comercial, de prateleira mesmo, visitando seu corner de chocolates e ovos de páscoa montado em sua loja. E uma coisa posso dizer, são de encher os olhos e dar água na boca, e não só isso, são extremamente gostosos, até porque a matéria-prima é de primeira. Esses foram minhas escolhas para o blog:

Ovo com pérolas de chocolate belga  -R$ 25,00

ovo roxo

Coelho da páscoa com mini-ovos – R$ 25,00

coelho

Lata de 20 mini-ovos – R$ 50,00

lata

O tão famoso ovo de brigadeiro de colher, já coloquei  a foto no post anterior e custa R$ 40,00. Dá vontade de comer todo de uma vez só. São presentes de páscoa ótimos, diferentes e finos.